0 0
Read Time:3 Minute, 9 Second

A Sweet Baby Inc. tornou-se um tópico de intensa discussão e controvérsia no mundo dos jogos. Fundada em 2018, a empresa de consultoria narrativa com sede em Montreal trabalhou em títulos renomados como “God of War: Ragnarök”, “Suicide Squad: Kill the Justice League” e “Assassin’s Creed: Valhalla”. Oferecendo serviços de consultoria cultural e de autenticidade, a Sweet Baby Inc. foca em diversidade e inclusão, abordando questões de raça, gênero, etnia e mais.

Recentemente, a empresa foi alvo de críticas por parte de jogadores que questionaram à sua agenda de inclusão, a qual é rotulada de agenda woke. A polêmica escalou quando um grupo de curadoria no Steam, chamado “Sweet Baby Inc Detected”, foi criado para informar os jogadores sobre jogos associados à empresa, marcando-os como ‘Não Recomendado’.

A conta da Steam que denuncia conteúdo com agenda woke parece ser uma resposta direta a essas ações, representando um esforço dos usuários para se opor e destacar o que eles consideram ser uma influência indesejada no desenvolvimento de jogos.

Essa situação ilustra a complexidade das discussões sobre representatividade e inclusão na indústria de jogos, bem como as tensões que podem surgir quando diferentes visões entram em conflito. A Sweet Baby Inc. e a controvérsia em torno dela destacam um debate cultural mais amplo sobre o papel da diversidade e da inclusão na mídia e entretenimento.

Eu acompanhei essa treta no twitter e sinceramente eu tenho de concordar com o usuário que fez essa conta, sem dúvidas hoje em dia não só nos games, em outras mídias eles tentam forçar certas coisas e ainda por cima escrevem roteiros bem idiotas e sem profundidade, o que só piora a situação desse tipo de conduta. Não estou sendo contra diversidade em jogos, até porque tem vários jogos que gostei bastante e exploram tudo isso de forma natural e ainda contam com um roteiro bem construído e sabem fazer algo sólido, um exemplo disso é o game Death Stranding feito pelo estúdio Kojima Productions do Hideo Kojima. O game sabe fazer algo mais inclusivo e diversificado igual era nas épocas antigas sem apelar para algo forçado e sem sentido, outro exemplo que gostaria de ilustrar é o game Hogwarts Legacy ao qual se tornou um dos meus jogos favoritos dos recentes que tem vindo, o game tem personagens variados e não tenta empurrar nada de forma genérica e artificial.

Em resumo, essa polêmica só mostrou que aparentemente inclusão se tornou algo forçado, inclusive a própria Sweet Baby Inc ameaça empresas e desenvolvedores se não fizerem o que eles querem em seus jogos, isso é até uma grande falta de caráter por parte deles, mas se pensam que eles são os únicos se enganam existem outras empresas parecidas por ai, agora o que tudo isso vai gerar?

Confiram uma declaração oficial da CEO da Sweet Baby Inc abaixo:

“A co-fundadora da Sweet Baby Inc, Kim Belair, explica orgulhosamente o método que utiliza para forçar os patrões dos estúdios de jogos a censurar, alterar e “diversificar” os projectos de jogos que considera problemáticos – “aterrorizá-los”, ou seja, ameaçá-los com a raiva da máfia da cultura do cancelamento.”

Se não acredita na declaração confira o vídeo abaixo:

Conclusão, as empresas estão cedendo aos caprichos deles por puro medo, por conta disso eles estão aceitando que a empresa coloque as escolhas das quais acha que são adequadas para os games, isso parece algo totalmente forçado de forma completamente sem noção e ridícula. Vamos ver no que tudo isso vai dar.

Agora se você quiser ficar bem mais por dentro do assunto, recomendo demais o vídeo do canal Aperte Start abaixo, para compreender em mais detalhes sobre tudo isso.

About Post Author

Noob Spy

Fã de Nintendo, level 33 na vida, sou podcaster, redator do site e produtor de conteúdo.
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

By Noob Spy

Fã de Nintendo, level 33 na vida, sou podcaster, redator do site e produtor de conteúdo.